segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Feel in... Strange days...

Hoje...

Nem sei o que diga sobre hoje...
Foi um dia... Diferente.

Vesti roupa desportiva (t-shirt, calças de treino, sapatilhas) e sentia-me sexy. Por dentro.
E com o que se sucedeu ao longo do dia, acho que ando a libertar feromonas num raio de uns 300 kms...


Bem, adiante.
A seguir ao almoço, preparo as malas e venho para a cidade da minha Escola.

E pelo caminho, lembrei-me, como já me tinha lembrado noutras ocasiões, dum homem que foi o último homem com quem "andei a trocar fluidos".

Alguém que sempre senti como "aconchegante", como "o homem que nunca me magoará".
Sempre fomos honestos um com o outro, tal como faço questão de ser sempre, mas que, na verdade, raramente encontro essa honestidade nas outras pessoas.
E reparo, que estar aqui nesta cidade, sem ele, faz-me impressão.

Liguei-lhe.
Ele não pode atender, ligou-me mais tarde.

"Ralhei" com ele, que devia estar cá, que não era justo deixar-me cá sozinha.

Claro que ele não está porque não pode.
Mas considerou vir cá ter comigo, enquanto eu cá estiver.
Correria uma série de quilómetros para vir matar saudades, que também as sentia, disse.
Claro que ambos gostaríamos que ele estivesse cá.
Não necessariamente pelo "replay", já estivemos juntos outras vezes em que nada aconteceu.

Mas...
Confesso que é uma das presenças mais aconchegantes dos últimos... ui... 6 (?) anos...

É engraçada a relação que temos. Ele namora. Eu não.
Ele já mo disse (e não foi o único), que só trairia a namorada se fosse comigo. E mesmo que isso seja uma "conversa da treta dos homens", sei que ele está a ser sincero (tal como os outros que o disseram, e não, não estou a ser presunçosa).

Falamos sobre imensas coisas, sobre aventuras de todo o género, ou, simplesmente, estamos um com o outro. E sempre me soube bem. Sermos amigos.

E hoje, queria que ele estivesse aqui comigo. Hoje, não sei se resistiria à vontade de... "Algo mais".
Hoje estou frágil demais, mas também sei e sinto que hoje, se ele estivesse aqui, e eu quisesse... E ele soubesse que era por estar frágil e carente, ele não tiraria proveito da situação.
Ele sabe que se fosse o último homem à face da terra, a humanidade não acabava aqui. :)
Não sei se isso lhe basta, se saber isso lhe basta, mas...
Ele sempre me respeitou.
E é isso que me faz confiar nele como dificilmente confio num homem.

Hoje, decididamente, apetecia-me o aconchego dele. Os braços dele, o mimo dele. O sentir-me protegida e confiar nessa protecção.
Aconchego, mesmo.
Pronto.
Só isso.

Aconchego.

8 comentários:

  1. Nesses dias é perigoso irmos ter com eles...
    ficamos demasiado vulneráveis... aproximamo-nos demais...

    ResponderEliminar
  2. Sim, Emma, quando me sinto assim é remédio santo não sair de casa NEM abrir a porta a conhecidos... "Conhecidos e interessantes", que com os "desconhecidos e interessantes", posso eu bem! :p

    Devo estar a ovular, praí, ou também eram influências do filme que fui ver ontem: "Ghosts of girlfriends past", com o delicioso Matthew McConaughey (muito giro, se ainda não viste... Vai ver!).

    Beijos, horas de bazar! :D

    ResponderEliminar
  3. Há dias em que basta mesmo só o aconchego...

    Sabe tão bem...

    Beijo e mmmm

    ResponderEliminar
  4. ai... hoje sinto me tal e qual como descreveste... sem a preocupaçao de haver traiçao de parte a parte... mas com uma enorme vontade de um abraco que durasse eternidades e me deixasse esconder o rosto no pescoço dele durante horas! :$

    ResponderEliminar
  5. Inside me:
    Sabe, sim... E quando já não o temos há muito tempo... Sabe ainda melhor, creio...

    Beijo e MMMmmmMMMmmmMMmmm :D

    ...Ju..., minha princesa, na verdade, estou a ovular... :p
    Além disso, do estado hormonalmente sensível, outras situações emocionais pesam...

    E porque parecerá tão dificl ter isso? Um abraço, apenas, sem compromisso, sem stress, sem sexo, apenas um aconchego "daquela pessoa" em quem confiamos?...

    Beijinho, princesa, e se precisares de colinho... Bem, podes vir até à selva sempre que quiseres! :)

    ResponderEliminar
  6. Tenho um amigo assim, que não o meu companheiro. Mas essas amizades aconchegantes são perigosas...às vezes damos connosco a sentir coisas que não são justas para a pessoa com quem estamos...

    ResponderEliminar
  7. Às vezes complicamos tanto na vida quando apenas sentimos necessidade da partilha de um aconchego no respeito do espaço de cada um... e já estou a divagar :)

    Beijos

    ResponderEliminar
  8. Vani:
    Nesse caso, sim, são perigosas. Porque significa que procuramos algo noutra pessoa que não encontramos naquela com quem estamos.
    Mas...
    Se o aconchego que procuramos pode ser (também) dado por uma amiga (por vezes), e em relação a essa não há outros "sentimentos" nem "questões", por que motivo existem em relação a um homem?...

    O importante é separar as coisas, e Amor de Almas, não tem de ser Amor e Cama... :)
    Sabe é bem que seja Amor e Aconchego. :)



    LBJ:
    Não estás não. :)
    Estás correcto.



    Beijos a ambos! :)

    ResponderEliminar

Sopra no vento o que pensas, sentes ou sonhas... Que o vento trará até ao alto da minha árvore as tuas palavras...

Obrigada...