domingo, 10 de julho de 2011

Diário das Minhas Maminhas - 10

Dia 10 – Domingo


Hoje vou embora.
Não me apetece ir. Porque estou de férias, porque quero estar com Ele, porque quero estar mais com o meu irmão e a minha cunhada.
Mas tenho de ir, porque não posso, nem devo, adiar esta questão.

Ele vem-me buscar para irmos almoçar e ficou de me levar, mais tarde, à estação dos comboios.

Vamos até a um sítio muito bonito, passeamos um pouco, tiro algumas fotos.
Acabamos por ficar numa esplanada, e almoçamos.
Conversamos, trocamos beijos, mimos, sorrisos.

De vez em quando, os meus pensamentos tristes ensombram-me o momento. Tento não pensar nisso, mas é difícil, quase impossível.


A certa altura, vejo as horas no relógio Dele.
Já são quase horas de ir embora, e a tristeza abate-se sobre mim.
Ele nota.
E percebe perfeitamente que o meu estado de espírito se deve ao aproximar da hora da partida.
Tenho lágrimas nos olhos, o queixo a tremer e tento não olhar para Ele, sequer.
Não quero que me veja chorar.
Ele aperta-me mais a mão e brinca um pouco comigo.
Engulo as lágrimas, domino a tremura, e dou graças a Deus por estar ali com Ele.
Aconteça o que acontecer...

Foi um bom dia e adorei poder estar com Ele...

Na estação, perco o comboio previsto, pois disse-Lhe que não queria ir a correr e que podia ir no seguinte.
Vamos até à linha, calmamente, e abraçamo-nos.
Ele detesta despedidas, eu também.
Não quero ir embora, não quero sair de ao pé Dele.

Ele vai-se embora um pouco contrariado por me deixar sozinha, pois já tinha coisas marcadas devido à previsão de eu ir no comboio anterior.

Eu não tenho problemas em ficar sozinha na estação, assim como assim, tenho mesmo de me ir embora.
Sopro-lhe beijos enquanto Ele se afasta, tentando não chorar à frente Dele.
Ele brinca com os meus beijos soprados e sopra-mos também, até sair do meu campo de visão.

Sento-me no banco, olho para “nenhures” e desta vez, discretamente, verto algumas lágrimas.

Não me apetece ir embora, decididamente.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Sopra no vento o que pensas, sentes ou sonhas... Que o vento trará até ao alto da minha árvore as tuas palavras...

Obrigada...