quarta-feira, 13 de julho de 2011

Diário das Minhas Maminhas - 13

Dia 13 – Quarta-feira



Hoje é o meu último dia de férias.
Começo a preparar algumas coisas para a minha partida, até à hora de ir ao médico.

Dou um pulo ao consultório e mostro-lhe os exames.
Falamos sobre eles e mantém-se o que já me tinham dito, e o que tinha lido.
Além disso, pergunto se há algum problema em engravidar, ou em amamentar.
Não há.

Decidimos que, daqui a 3 meses, vou de novo fazer a palpação, e se dermos conta de alguma alteração, repito logo a ecografia. Se não houver alterações, faço-a daqui a 6 meses.

Saio, a pensar no quão felizarda sou por ter um médico bom, como profissional e como pessoa, e tento ligar-Lhe para Lhe contar.
Não consigo falar com Ele, volto para casa, acabo de arrumar as tralhas e ponho-me a caminho da minha casa.

No caminho, Ele liga-me.
Sinto-O cansado e stressado, e pergunto se podemos falar sobre o assunto pelo qual não pude ficar além de Domingo.
Ele diz que sim e eu conto-Lhe o que se passou.
Ele escuta-me atentamente e no final, diz-me. “Para a próxima, quero saber na hora o que se passa contigo...”



Eu “reclamo” que não queria que fossemos dois a sofrer por antecipação, mas prometo-Lhe que não tornarei a omitir nada dessas coisas.
Conversamos mais um pouco e desligamos.
A atitude Dele deixa-me aconchegada e mimada, e faço o resto do caminho com uma sensação de leveza em mim.


.......


E quando chego a casa, começo a escrever este pequeno diário do que foram estes dias.
Com a esperança que possa ser uma chamada de atenção para as minhas leitoras, as minhas amigas e familiares, para que não descurem as idas ao ginecologista, ou a palpação mamária.

Porque nem todas temos a sorte de ter algo beningno...
E morrem cerca de 1500 mulheres por ano, em Portugal, devido ao cancro da mama...

Aqui entre nós... Não queiram fazer parte da estatística, sim?...
Apalpem as maminhas ou ide ao médico...
E isto também é válido para os homens, pois cerca de 1% dos casos de cancro da mama em Portugal, ocorre nos homens, sabiam?...







[Lhasa de Sela, falecida aos 37 anos com cancro da mama.]

Sem comentários:

Enviar um comentário

Sopra no vento o que pensas, sentes ou sonhas... Que o vento trará até ao alto da minha árvore as tuas palavras...

Obrigada...