quinta-feira, 18 de junho de 2015

Uma ovelha na estrada

Fim de tarde dum Sábado.

Saio da cidade e dirijo pela Nacional, que não me apetece pagar autoestrada.
Ao fundo do troço, vejo algo grande, claro, aos saltos da estrada para a berma.
Primeiro, penso ser um cão grande... Mas, não, é uma ovelha.
Que, de alguma maneira, fugiu do pasto e não conseguiu voltar.

Penso no perigo que aquilo significa: alguém mandar uma pantufada nela, seria mau para a ovelha, para o dono da ovelha, para o dono do carro e, eventualmente, para os passageiros. Além de poder originar um choque em cadeia.

Estaciono o carro na berma e saio, para tentar encaminhá-la para algum portão ou buraco na cerca. Não tenho ilusões: ela é grande demais para a poder agarrar e segurar, ou levantar.

A bicha, mal me vê aproximar, foge.
Para o meio da estrada... :(
Deito as mãos à cabeça, que vem lá um carro, mas eles avançam devagar e não há incidentes.

Ligo o 112 e explico a situação. Enfio-me no carro e espero. Passado um pouco, a PSP liga-me. Explico de novo a situação, dou a minha localização certinha. "Entre a aldeia A e a rotunda B, ao lado da empresa C." O agente entende-me e agradece-me. Pergunto se vão mandar alguém, e diz-me que sim, que vão.

Decido esperar.
Sempre fico de olho na ovelha, para a indicar a quem vem, e se houver algum acidente, estou ali para testemunhar.

Espero... E espero... E espero...
A ovelha anda para ali aos saltos, ora sossegada, ora assustada.
Entretanto, as outras ovelhas no pasto berram por ela. E ela berra também.
E mete-se na estrada de novo e vai para a rotunda.
Deito as mãos à cabeça, de novo... E a Polícia que não vem.

A bicha assusta-se e regressa para perto de mim, para a berma.
Menos mal.

Pego no telefone: passaram 15 minutos desde que liguei para o 112.
Ligo para o número da PSP que me tinha ligado, e pergunto se não mandam ninguém.

O Agente diz-me que os colegas já ali estiveram 3 vezes e não viram nada. Educadamente, respondo que não, ninguém passou ali, pelo menos num carro identificado.
Ele pede-me para não desligar e chama os agentes que deveriam ter vindo, perguntando onde estavam. Está danado com os colegas, que não estão onde deveriam estar, e até consegue ouvir a desgraçada da ovelha a berrar.
Eles alegam qualquer coisa que eu não ouço.
Ele dá-lhe as indicações de novo: "Entre a aldeia A e a rotunda B, ao lado da empresa C.". Não há que enganar.

E diz-me que eles devem estar a aparecer, e vamos conversando sobre pessoas que não nascem para determinadas profissões. Eu comento que eles não devem é ter vontade de andar atrás de uma ovelha...
Vai-me perguntando se já os vejo e eu respondo que não. E ele vai falando com eles, a insistir na minha localização.

Entretanto, outro carro pára, no lado oposto ao meu, e sai de lá um homem que se encaminha para a ovelha.
Comento isso com o Agente e digo-lhe que vou ver se tem alguma coisa a ver com a ovelha.
"Boa tarde", digo, "Desculpe-me, mas o senhor tem alguma coisa a ver com esta ovelha?"
Ao que ele me responde: "É do meu sobrinho, ali daquela quinta, já a encaminhei para o portão. Pareceu-me tê-la visto quando fui à Aldeia D, mas não pude parar na altura."

Vejo, de longe, que o portão está fechado. Faço o meu melhor sorriso e puppy eyes e peço: "Olhe, já que é da família, importa-se de ir abrir o portão e metê-la lá para dentro? Não vá ela voltar para a estrada e acontecer algum acidente... Tenho estado aqui aflita e até já chamei a polícia, mas ainda não apareceram..."

O senhor olha para mim e deve ter pensado: "Raio da mulher, que eu queria era ir sossegado para casa...", mas lá foi.

E eu ao telefone com o Agente, e ele a perguntar-me se já tinha visto os colegas.
"Não, ainda não..."

Até que os vi, ao longe, e disse: "Olhe, já apareceram!... Já lhes faço sinal para pararem."
Nesse instante, a senhora que estava no carro do outro senhor, e que também já tinha saído do carro e aproximado de mim, diz-me: "Ele já conseguiu meter a ovelha lá dentro."

Faço sinal para pararem, eles param e saem do carro. Faço o "meu melhor sorriso profissional" que a Coccinelita tanto gostava de me ver fazer, e pergunto: "Então, foi difícil dar com isto?..."
Ao que um deles me responde: "Foi a Central que nos deu mal as indicações. Disse-nos que era ao pé da rotunda Y e era na rotunda B..."
E eu penso: "MENTIROSOS... Eu OUVI as indicações..." Mas não digo nada acerca disso, digo apenas que o tio do dono já conseguiu meter a ovelha para o outro lado da cerca.
E um deles, ainda acrescenta, em jeito de desculpa de mau pagador: "E o que faríamos nós com uma ovelha?..."
Ao que eu respondo: "Sempre eram dois para a tentar apanhar, ao passo que eu era só uma e não tinha força para a agarrar sequer..."
[Também lhes podia ter dito para fazerem um guisado... ]

Enfim, chegaram quando o serviço estava feito e ainda mentiram. Foram embora e eu disse ao outro casal que era mentira aquela conversa da Central ter dado as indicações erradas.
Despedi-me deles e agradeci-lhes a ajuda e voltei para o carro.

Olhei para o telemóvel...
E liguei de novo ao Agente que me tinha ligado: "Olhe, era só para dizer que os seus colegas chegaram ao pé de nós e dissera que a culpa era da Central que tinha dado as indicações erradas..."
 
[Sim, fiz queixinhas, pois não gostei da atitude daqueles agentes, que demoraram 25 minutos a aparecer e ainda mentiram... Se tivesse ocorrido algum acidente e alguém se tivesse magoado, queria ver como era...]

Falámos mais um bocadinho e pus-me a andar, feliz e contente por ter contribuído para que uma ovelha não fosse atropelada... :)

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Rescaldo de uma Feira bem visitada

Fui à feira três dias, e em todos tive pequenas "aventuras"... Enriquecedoras e divertidas.

1º dia - Oferecem-me a entrada na feira.
Ganho uma pen de 4Gb.
Conheço uma menina que conhece o meu irmão mais novo e é da terra do meu namorado... E que me oferece boleia para casa e me deixa à portinha. [O mundo é muito pequeno...] 
Além de ter conhecido mais 2 pessoas interessantes, do ponto de vista profissional.

2º dia - Tornam a oferecer-me a entrada na feira.
Conheço mais algumas pessoas interessantes profissionalmente. Conheço um conterrâneo, e venho a descobrir que os pais dele tomam café com a minha Mãe, ocasionalmente. [O mundo é mesmo muito pequeno!...] 
Encontro pessoas relacionadas com o meu antigo trabalho. 
Ganho um bilhete gratuito para voltar à feira.
Aprendo que os ovos brancos têm menos água na clara e por isso, estas ficam mais densas, sendo estes ovos preferidos pela restauração. Tanto para as sobremesas do género Molotoff, como para cozer, pois mesmo que sejam frescos, quando se descascam ficam inteirinhos e bonitinhos, enquanto que os castanhos não. 
Também aprendo que existe uma tesoura para ovos de codorniz, para serem mais fáceis de abrir.
Ganho meia dúzia de ovos brancos.

3º dia - Entro na feira com o bilhete que ganhei no 2º dia.
Vou almoçar com amigos de longa data. Calha-me estarem a almoçar com mais gente, um grupo grande. Conta a dividir por todos... 33 euros da minha alma!!! Mas pronto, paguei e não bufei, porque eu disse que ia ter com eles, sem saber que eles estavam em grupo.
Apanho uma molha e acho divertido, que já não apanhava nenhuma destas, há anos.
Ando a passear na feira com a minha sobrinhita de coração, de 4 anos e meio, deliciada com ela.
Oferecem-me um bolinho de amêndoa e ovos.
Jogo 1€ em rifas para ajudar uma causa humanitária. Sai-me de prémio 3€ de desconto na compra dum objecto daquela barraquinha e compro uns rolos para os bebés não se virarem, a pensar no meu sobrinho mais novo (ainda a caminho), por 1,75€. E sai-me um Leitor mp4 da Philips, que devia ter custado uns 40€ nos seus tempos áureos (é um modelo "antigo", mas que funciona perfeitamente).
Os meus amigos oferecem-me um copo trabalhado, de recordação.
Oferecem-me outra pen de 4Gb, um bloco giro, dois manuais e dois livros que eu já tinha (os quais vou oferecer, um ao meu sogrinho e o outro, a outros amigos).
Jogo noutra barraquinha de beneficência e contribuo com 5€. Dão-me, de retorno, frutos desidratados cujo valor comercial, fora da feira, atinge os 6€, ao todo.
Dão-me um pacote de pipocas doces.
O segurança deixa-me sair do recinto da feira e ir por as tralhas ao carro, e voltar a entrar, para ir comprar mais coisas. Quando saio definitivamente, ofereço-lhe duas senhas de bebidas que me tinham sobrado.
Consigo dar um beijinho à minha irmã.
Oferecem-me uma gerbera duma cor linda.
 
Regresso a casa atafulhada de tralha, entre as ofertas e as compras que fiz.

Esta deve ter sido a feira mais proveitosa que tive nos últimos anos, no que toca a brindes e ofertas... :)
Faltou-me o meu gajo para irmos aos torresmos, aos temperos especiais e ao restaurante, que ele iria adorar, comer boa carne de vaca bem grelhada, com os nossos amigos...
Quem sabe, no próximo ano?... :)

terça-feira, 9 de junho de 2015

Amor Verdadeiro

No passado fim-de-semana, li o romance "Amor Verdadeiro", de Jude Deveraux, o primeiro da Trilogia "Noivas de Nantucket".

Comecei-o na sexta-feira à noite, fiz noitada no Sábado para ler mais um bocado, andei zombie no Domingo, mas acabei de o ler.

Na minha opinião, lê-se bem.
É fácil de ler, embora a autora "meta palha" nalgumas descrições (ou, talvez, seja pela forma como as faz), "pesando" a estrutura do livro (é um "calhamaço", mesmo, ou, se preferirem, um catarpácio... de 484 páginas) e tem o Happy Ending que eu gosto.

Se o Amor Verdadeiro é real? Sim, e não tenho dúvidas nenhumas acerca disso [chamem-me romântica incorrigível, se quiserem ;) ].

Se esse Happy Ending do livro é irreal? É. Tanto quanto uma história de Amor que fala de fantasmas e reencarnações o pode ser... ;)





Mais informações sobre o livro:
http://www.quintaessencia.com.pt/pt/romance/contemporaneo/amor-verdadeiro/

sábado, 6 de junho de 2015

2 Dias

Dizem que a Vida são dois dias, e um já passou.

Hoje, para um amigo, passaram os dois. Num minuto.

Com 40 anos apenas, sem sequer estar doente, sem ser por acidente, a luz dele apagou-se. Num instante.

Quão terrível é isso?

Quão terrível é percebermos a fugacidade da nossa existência, a nossa insignificância?

Quão terrível é saber que ficaram palavras por dizer, emoções por sentir, vivências por experimentar, porque a Ceifeira surgiu sem pré-aviso?

Quão terrível é saber que ele partiu, num almoço de família, à frente dos pais, dos irmãos e dos sobrinhos pequenos?

Quão injusto é esta situação?

Hoje, choro por ti, R. Q.. 
Porque, não sendo tua íntima, eras íntimo duma grande amiga minha, que ainda está em choque.
Porque me lembro da tua simpatia, da tua inteligência e das brincadeiras, num Setembro, em Celorico da Beira e em Linhares.
Porque acho injusto para com a tua família.
Porque acho injusto para ti.
Porque, hoje, me lembraste outro Amigo, esse mais íntimo, que partiu e a quem nunca quis dizer "Adeus", pois nunca quis acreditar que nunca mais o veria.

Para todos os efeitos, estás em Madrid, ou em Lisboa, ou em Tondela, ou... whatever.
Foste de viagem e, um dia, voltas.

Até à vista, R. Q..
Descansa em Paz.

:(