quarta-feira, 3 de junho de 2009

Humildade

Por vezes, precisamos de “descer” um pouco do nosso pedestal de "seres sábios" e aproximarmo-nos da Terra e dos "seres mais simples"...
Se formos suficientemente humildes, seremos agraciados com beleza e testemunhos de amor...




Desde há duas ou três semanas, que andamos todos, lá por casa, “histéricos” pelo que vos vou contar em seguida (estava a guardar esta história para outra altura, mas achei por bem, devido a outras “histórias” que andam aí, postar sobre isto agora).

Há uns 14 ou 15 anos atrás, apareceu-nos em casa um cão.
Vinha perdido, ou teria sido abandonado, pois foi na altura da caça.

Surgiu lá por casa (tal como outros cães antes dele) e o Caçula foi-lhe dando de comer às escondidas dos meus pais, pois cada vez que aparecia lá um cão, os meus pais arranjavam-lhe dono, para grande tristeza do meu irmão que os via ir embora.

Mas com este, mudou-se a opinião dos meus pais... O cão era um jovem adulto, com um pêlo cor de mel, amistoso, afável, amigo, um verdadeiro rafeiro do mais lindo que há.

Além de ser um excelente cão de guarda, aprendeu num instante a reconhecer “o pessoal da casa”, de forma a que, pelo latido, já sabíamos quem vinha lá (e nós até somos uma família grande e já estavamos cada um no seu ponto do país, quase).

Assim, acabou por nos adoptar e nós a ele.


Andava à solta, mas sempre por perto.
Um dia, foi atropelado e ficou cego duma vista. Então, o meu pai decidiu arranjar uma corrente grande, para ele não ir para a estrada mas ter sempre onde andar e movimentar-se. Ou então, pegávamos na trela e passeávamos com ele (à volta, havia campo e coelhos e saca-rabos).

Depois, mudámos de casa, e ele recomeçou a andar solto na vizinhança.

Foi novamente atropelado e, creio eu, devido a isso, uma noite mordiscou o rabo do “lixoman”. O senhor fez queixa (natural...), resolvemos bem as coisas com ele e, a partir daí, ele andava solto no nosso quintal e com trela fora dele (porque se não andasse com trela, teria de andar açaimado, e como ele e o cão da vizinha eram rivais no bairro, não podia andar sem se defender!).

E os anos foram passando.

O nosso cão está velhote, meio surdo, meio cego, já não tem a energia que tinha, mas continua a ladrar antes de me ver, cada vez que me sente entrar no portão, em jeito de boas vindas.
É o nosso cão, e nós somos os humanos dele.

Há uns tempos atrás, o Caçula (creio que existe um qualquer radar especial ou um sistema de comunicação dos cães - e dos gatos - que reconhecem o Caçula como um amigo) encontrou uma cadela, num sítio relativamente longe de nossa casa.
Um ou dois dias depois, a mesma cadela surgiu lá por casa. Um pouco medrosa, mas muito meiguinha.

Ia comer a comida do nosso cão e ele nem se importava. Dormia perto dele, andava pelo jardim, saía do pátio mas voltava.

Apercebemo-nos que estava prenha.

A minha mãe foi de férias uns dias, e quando voltou, notou que a cadelita já não estava com a barriga inchada. E que continuava a comer toda a comida do nosso cão, e que se escondia.

E ouviram uns latidos fraquinhos. :D

A minha mãe e o Caçula procuraram e encontraram o ninho que ela arranjara para os filhotes. Escondido debaixo duma varanda baixinha que dá para o jardim.

Ficaram todos contentes e o Caçula conseguiu ver 4.
A minha mãe começou a fazer ainda mais comida para a bichinha, que comia e ia para junto dos filhotes.
De vez em quando, saía e regressava, e andava sempre atrás da minha mãe e do meu irmão.

Há dias, a minha mãe ligou-me, toda contente e animada, a dizer que afinal, eram 7!!!
E estava encantada, que eram lindos e que a cadela comia muito mas que eles estavam gordinhos.

Ela encantada, e eu toda “invejosa” de ainda não ter visto os puppies. :p

Este fim-de-semana, fui a casa. E depois, afastei um dos tijolos que esconde o ninho, perante o olhar um pouco receoso da cadelita e...


Peguei em dois, os mais curiosos e afoitos, e eu e o Nº3 estivémos a brincar e a tirar algumas fotos.


Acabei por me deitar no chão, deliciada a namorar os bebés, que brincavam, depois mamaram, e depois brincaram um pouco e adormeceram. Dois deles são mais curiosos, e são todos lindos!!!!





Hoje, recebi uma mensagem da minha mãe e afinal... São 8!!!

(Experimentem lá contar os rabitos...)

Perante isto, e depois de ter visto aquele blog criado para apoiar aquela causa terrível da “Esterilização Obrigatória”, só pergunto:

Acham que todos os cães abandonados permanecem abandonados????

Acreditam que estes cachorrinhos, que nem sequer eram “nossos”, vão ser abandonados??

Acreditam que a cadelita não tinha o direito de ser mãe só porque alguém a pode achar indigna, por ser rafeira???

Mas quem somos NÓS, para decidir eliminar a beleza da mistura de raças?
Quem somos NÓS, para decidir que TODOS OS CÃES E GATOS DE COMPANHIA deverão ser esterilizados?????

Este assunto põe-me doente, juro...

HAJA HUMILDADE!!!!

Portanto, venho repetir o que já disse o Bruno Fehr:

NÃO À ESTERILIZAÇÃO OBRIGATÓRIA!!!


E peço-vos que visitem tanto o post do Bruno (muito bem estruturado e fundamentado, na minha opinião) como o da Esterilização Obrigatória (grrrrr....) e digam de vossa justiça.



Vamos tentar arranjar casa para todos os cachorritos e se não conseguirmos, ficarão conosco!

E acreditam que ainda houvesse quem nos dissesse que devíamos matar alguns???
Fico ainda mais doente...
Nem que os alimente a biberon, chiça!!! Agora, matá-los?!?!?!?
Não, nem matava nem deixava matar! Gente parva!...



Bem... Mas digam lá, não são lindos?? :D









video

PS - Já agora, leiam este post, a continuação do 1º, sobre este tema, do Bruno Fehr: http://so-me-apetece-cobrir.blogspot.com/2009/06/nao-esterilizacao-obrigatoria-dos.html

19 comentários:

  1. Eu já expus a minha visão da coisa, que irá ficar sempre presente no blog já que está na barra lateral.

    Para o senhor emperdigado da foto do cão até pus lá os direitos de autor apesar da foto ser freeware. Já expliquei em vários comentários, no blog do blogger Bruno Fehr a minha posição e reiterei-a no meu. Já disse e volto a dizer que me voluntário para sabotar esta medida. Eu tenho um gato. Gostava de ter um cão, mas o apartamento, mais a minha mania de ser nómada não mo permitem para já. Se tivesse daria, tal como dei com o gato, prioridade aos abandonados.

    Eugenia é um crime, e isto deveria ser punido.

    Quanto aos teus cachorros e À tua história... Gostava de ter uma assim para contar. E dá vontade de querer um...

    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Eu também tenho um apartamento e um tipo de vida como o teu, que me faz achar injusto ter aqui um dos puppies... Mas já disse à minha mãe que se algum não conseguir casa, eu responsabilizo-me, em termos de seguro, veterinário, tudo, e ele fica lá em casa... E fica apenas meu cão quando lá vou, mas abandonado, NÃO SERÁ MESMO!

    A minha mãe quer ficar com a cadela. :)

    Beijitos, Jane, e obrigada pela visita! :)

    Ah!!!: Já nasceram os piupius das caixinhas do segredo! :)

    ResponderEliminar
  3. Gostei, a sério que sim.
    Mas vim cá com outra intenção.
    Considera-te tu agora a desafiada :)
    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Já tive dessas histórias ...e com outros animais também .... com gatos então nem tem conta ....

    Mas agora vivo num apartamento, onde são proibidos animais, tenho lá a minha cadela, e uma gata que veio junto com a cadela para dentro de casa, vi-me obrigada a esterelizar a gata, porque elas no cio fazem aqueles miados estridentes e aí teria o povo da vizinhança encima da bicha.
    E na minha opinião, pior ainda, é esta história de probirem ter animais dentro de apartamentos ....dentro de minha casa mando eu !!!
    Mas claro que ivito ter problemas com os vizinhos!
    Nem 8 nem 80 ....... na Paz !!!!

    ResponderEliminar
  5. Acho que em breve a campanha no não, terá mais protagonismo do que a ideia criminosa do sim.

    A prova está patente na retirada da imagens deles dos blogues, as pessoas depois de ler algo em vez de formar opiniões colocam a imagem gira do cãozinho pois foi feita por alguém que gosta de animais, mas depois aparece alguém que desconfia, questiona e acaba banido de comentar nesse blogue como eu fui, e as pessoas percebem que afinal aquilo não é assim tão giro.

    O meu objectivo é quando os blogues com aquela imagem, aquela publicidade criminosa se resumirem ao blogue nazi de supremacia racial onde nasceu a ideia.

    ResponderEliminar
  6. Smootha: Até estou com medo de ir lá!!! :p Mais logo já lá passo!

    Larose: No meu apartamento, não tenho, para já, condições criadas para ter um cachorro, que prefiro que esteja mais livre e tenha mais espaço do que aquele que eu tenho para ele. Mas adorava ter cães e gatos!

    Bruno: Faço a publicidade do "não", posso fazer mais alguma coisa?

    Beijitos de bom dia a todos! :)

    ResponderEliminar
  7. Não tenho acompanhado esta campanha, cheguei aqui por acaso, mas ainda bem que fui alertada para este facto!
    Adorei a tua história e os teus cãezinhos. São lindíssimos.
    Vivo num apartamento e tenho um casal de gatos (foram abandonados, a ninhada toda, distribuimos pelos amigos, fiquei com dois); tive de os esterilizar porque não tenho condições para criar mais, estes dois já é com alguma dificuldade. Tenho o sonho de um dia ter uma casa suficientemente grande para albergar mais animais, que adoro.
    Apoio a vossa campanha do Não. Pelo direito à escolha de quem tem hipótese de escolher.

    Parabéns e uma beijoca a todos!

    ResponderEliminar
  8. Muito bom o teu texto!

    Detesto generalizações e tu provaste que sim... ainda existem pessoas que adoptam cachorros abandonados....!

    :)

    ResponderEliminar
  9. Fada!
    Só posso gostar de animais e da natureza. Apenas comento este post devido ao “efeito dominó” provocado por um cão, há muito tempo noutro continente.


    Uma história muito bonita, com um (quase) final feliz.
    Os cachorros são mesmo fofos, pelas fotos devem sair ao pai. :)
    Há dois pormenores, que não mencionaste. Provavelmente, por ser tão mansinha, a cadela terá tido dono, e abandonada depois de prenha.
    E quem será o cão que a prenhou e que de seguida a abandonou? ;)

    O movimento da esterilização dos animais deveria apostar na educação dos donos. Como não é uma tarefa fácil, viram-se para a esterilização.
    De certa forma, tem algumas semelhanças com a educação sexual dos jovens (e adultos). É muito mais fácil “espetar” preservativos do que educar.

    ResponderEliminar
  10. Que lindoooooooooooos!!! Lindos lindos! :) apetece agarrar e fazer muitas muitas festinhaaaaaaaas :)

    ResponderEliminar
  11. Antes de mais deixa-me dizer-te que o teu post está muito bonito. Gosto de ver pessoas a falar com esse amor dos animais.
    Como ando desaparecida da net aida não tinha lido nada sobre isso e digo aqui e agora que isso é horrivel!
    Alguém que corte os tomates a um desses senhores quando eles forem solteiros. Só não se corta aos casados, a ver se eles aceitam essa proposta!
    TODOS os animais da minha mãe foram tirados da rua!
    As minhas cadelas são rafeironas! E têm todo o direito de ser mamãs!!

    ResponderEliminar
  12. Bem eu acho que fazem bem em divulgar esse tipo de estupidez que vai imperando pelo nosso país, é obvio que a adopção de animais não recolhe muitos adeptos mas mesmo assim ainda existem pessoas que vão aos canis municipais em busca de um animal para lhe dar carinho e afecto .

    Essa proposta de lei nem tem fundamento deviam era de se preocupar em pedir mais infra-estruturas e equipamentos para esses canis isso sim é um problema que se deve ver resolvido.

    ResponderEliminar
  13. eu fui a unica que fui mesmo contar os rabos dos puppies? :D

    lindos!

    bejinhos*

    ResponderEliminar
  14. Luz: Obrigada pela visita e pelo apoio! :)

    Eu Mesma!: Obrigada! :)

    JPVale: Não, acho que a educação sexual dos jovens nem chega ao "espetar" com os preservativos, se fosse assim, não haveria tantas miúdas a engravidar.

    Rita: Também acho!!! :D

    Sophie: Obrigada! E olha lá... Queres fazer essa campanha?? Eu apoio-te!!! :D

    Caranguejo: Sim, divulguemos! :)

    ...Ju...: Não faço ideia, foste a única que se manifestou!!! Mas juro que eu só consegui ver que eram 8 porque o meu irmão disse, e só depois, ao ver a foto, me apercebi que sim, são 8!!! :D


    Beijitos a todos e obrigada :)

    ResponderEliminar
  15. Quem somos nós, perguntsa bem.
    Mas eu vou mais longe.
    Quem somoes nós para ignorarmos um rafeiro e irmos comprar um animal?
    Quem somos nós para ter lojas de venda de animais?
    Compram-se para a criancinha e depois nas férias abandonam-se.
    Desde que existem lojas com pequeninos nas vitrines, aposto contigo em como aumentou o número de abandonos.

    ResponderEliminar
  16. Bonita a história. Só é pena o meio cego e meio surdo não ser o pai dos oito.
    Ab

    ResponderEliminar
  17. também postei sobre o assunto e linkei-te

    ResponderEliminar
  18. Fada!

    Pois é! Mas vou informar-te duma coisinha, cheguei a comprar preservativos ao montes para alguns meninos e para quê?
    Para nada! Mostravam-nos às garinas e toca a andar, que é como quem diz...
    Por vezes, creio, que nem à chapada se vai.

    ResponderEliminar
  19. Incapaz: Escusas de apostar, eu concordo contigo... :(

    Anónimo: Também já pensei nisso, mas o meu cão acaba por ser aquele "pai que cria" e não o que deu os genes. Ele apoia a cadelita, ao deixá-la comer do prato dele e estar lá com ele. O meu cão é o máximo!!! :D

    LBJ: Já vi, obrigada! :)

    JPVale: Também comprei preservativos para outros e outras, mas não basta oferecer-lhos. O meu Nº1 leva "esfregas na carola" desde os 12, 13 anos, sobre drogas, alcool e sexo. Até hoje, não tenho razões para me preocupar com as atitudes sexuais e morais dele, mesmo no trato com as miúdas.


    Beijitos a todos! :)

    ResponderEliminar

Sopra no vento o que pensas, sentes ou sonhas... Que o vento trará até ao alto da minha árvore as tuas palavras...

Obrigada...